História dos Bombeiros

                                                                               

Os incêndios, grande flagelo, ao longo dos tempos, outrora mais a nível urbano, e hoje mais a nível florestal, começaram a ser combatidos com meios arcaicos, mas com expressivo e contagiante espírito de solidariedade não só dos vizinhos, mas da população em geral.

       D.João (1385-1433)

D. João I, através da Carta Régia de 23 de Agosto de 1395, tomou a primeira inicia-tiva em promulgar a organização do primeiro Serviço de Incêndios de Lisboa, ordenando “que em caso que se algum fogo levantas-se, o que Deus não queria, que todos os carpinteiros e calafates venham àquele lugar, cada um com seu machado, para haverem de atalhar o dito fogo. E que outros sim todas as mulheres que ao dito fogoacudirem, tragam cada uma seu cân-taro ou pote para acarretar água para apagar o dito fogo”.

Estabelecia também que os pregoeiros da cidade saíssem de noite pela ruas, a avisar, em voz alta, os moradores, de que deveriam tomar cuidado com o lume em suas casas.

No Porto, os Serviços de Incêndio tam-bém funcionaram, desde o século XV. Medidas de prevenção foram tomadas, nos séculos XV, XVI e meados do século XVII. O senado da Câmara de Lisboa promul-gou normas, com o objectivo de prevenir incêndios, provocados pelas fogueiras, manuseamento de pólvoras ou lumes domésticos.

Esta preocupação de organização começou a generalizar-se por todo o País, tendo decidido a Câmara do Porto, na reunião de 14 de Julho de 1513:

“Eleger diversos cidadãos para fiscalizar se os restantes moradores da cidade apa-gavam o lume das cozinhas à hora indicada pelo sino da noite”. E a mesma Câmara, na reunião de 9 de Setembro de 1612 “ordenou que fossem notificados os carpinteiros da cidade de que iriam receber machados e outras pessoas de que entrariam na posse de bicheiros, para que, havendo incêndios, acudissem a ele com toda a diligência”.

Mas só no Reinado de D. João IV, se tentou introduzir em Lisboa, o sistema usado em Paris, tendo o Senado aprovado a aqui-sição de diverso material e equipamentos, e concedendo prerrogativas a nível de re-munerações e de habitações.

                                                                                         

                                                                                           Carta Régia de D. João I

O serviço de incêndios, em 1646, reorga-nizou-se, tendo a Câmara proposto a com-pra ao Rei D. João IV: “de seis escadas fer-radas no alto dellas, duas de quinze de-graus e outras de vinte e sinquo; e outras duas de trinta, as quais se encostão na caza onde se pega o fogo, e seis varas de trinta palmos de comprido ferradas com seus bicheiros de ganchos e duzentos calões de couro cru que leve hum almude de ágoa cada hum, porque estes servem e não quebram, e se lançam do alto das cazas à rua e para cima vão continuando cheos de àgoa…

A estes homens dá a Câmara casas em que morem por esta pensão de acudirem, tanto se toca a sino a incêndio. Porém, não tendo a Câmara desta cidade comodi-dade de dar casas a estes homens se pode remediar dando-lhes um salário conveniente para estarem à obrigação deste trabalho… e parecendo conveniente se obrigarem os donos das casas circunvizinhos do incêndio a darem um adjutório para estes homens que trabalham por lhe livrarem suas casas. E tendo estes salários acudirão com obri-gação porque a razão de não acudirem é por quebrarem suas ferramentas e queima-rem seus vestidos, arriscando-se sem lhes darem nenhum socorro e por esta causa se escondem fogem do trabalho.

A instalação, em Lisboa, dos três primei-ros “quartéis” (três estações para arreca-dação de aparelhos e ferramentas), foi deci-dida por D. Afonso VI, em 28 de Março de 1678:

“O Senado ordenará, com toda a bre-vidade, que nesta cidade haja três arma-zéns… e que estejam providos de todos os instrumentos que se julgarem neces-sários para se acudir aos incêndios, e esca-das dobradas de altura competente, para que, com toda a prontidão, se possam remediar logo no princípio; e a chave terá cada um dos mestres assalariados pelo Senado, com obrigação que, logo que se tocar a fogo, abra o armazém que tiver a seu cargo, onde acudirão todos os oficiais assalariados…”

Três anos depois, em 1681, a reorgani-zação, prosseguiu, tendo sido mandado vir da Holanda, duas bombas e uma grande quantidade de baldes de couro, sendo distribuídos 50, por cada bairro. Os pedrei-ros, os carpinteiros e outros mestres pas-saram a ser alistados para o combate aos sinistros, ficando sujeitos a uma pena de prisão por cada incêndio, a que não compa-recessem.

                                                                                          

 D. Pedro II (1683-1706)

O primeiro Regulamento do Pessoal, publicado, em Lisboa, no ano de 1683, assim determinava entre outras medidas:

Capítulo I

cada um dos juízes do crime desta cidade no bairro de sua repartição mandará fazer uma lista de todos os pedreiros, carpin-teiros, calceteiros, serradores e trabalha-dores que por seus jornais costumam ganhar dinheiro…

Capítulo II e III

cada um dos ofícios nomeasse dois oficiais mais idóneos para servirem de cabos e que houvesse um livro no qual constasse toda a existência dos materiais de combate.

Capítulo IV

… para saberem se as pessoas a quem estas ferramentas, baldes, lanternas forem repartidas estão moradoras nos ditos bairros em que forem alistadas…

Capítulo V

Para se porem em resguardo os esgui-chos, escadas e morriões e mais apetrechos que ao Senado parecer necessário, com dili-gência e prontidão se acudir aos incêndios, terá o mesmo Senado duas casas…”

A prevenção continuava a ser conside-rada fundamental, para se evitarem maiores catástrofes, tendo apresentado o Senado da Câmara de Lisboa, em 1714, a Sua Magestade, D. João V, diversas medidas:

“Haverá três armazéns: um no meio do Bairro Alto; outro no meio do Bairro da Alfama e outro no meio do Bairro de inter-médio dos dois bairros. Em cada um destes estarão duas bombas, quatro escadas…; uma dúzia de baldes com suas cordas…”

A Companhia do Fogo ou Companhia da Bomba, fundada, em 1722, no Porto, era constituída por 100 “homens práticos”, capazes de manobrarem a “Bomba, ma-chados, fouces” tendo publicado D. João V, em 5 de Fevereiro, de 1728, a provisão acima reproduzida e que, em parte, transcre-vemos:

“Dom João por graça de Deos, rei de Portugal, e dos Algarves d’aquem, e d’além mar em África, Senhor da Guiné… Faço saber aos que esta minha Provizão virem, que tendo consideração a Me representarem os Officiaes da Camara da Cidade do Porto, que na dita Cidade havia uma Bomba com que se acudia aos incêndios, remedio mais eficaz a atalhar aquelle damno, e esta estava depositada em casa de hum homem intitulado Cabo, que a tinha prompta sempre, e capaz de servir, e ao primeiro toque do sino mais vizinho ao lugar do fogo, que fazia signal de o haver, acudião à casa do dito cabo oito homens, que erão obri-gados a ir buscalla… Privilégio que os iisen-tava dos encargos do concelho, e guerra, por prémio daquelle grande trabalho a que não só restavam castigo quando faltavão; para o que tomava conta delles em toda a ocasião o Cabo, e de tudo dava parte na Cãmara… o Tenente Coronel Bento Felix da Veiga, que por não querer conservar a isenção aos ditos homens, largarão todos as ocupações, causa por que nesta parte ficará a dita Cidade em notavel desam-paro… me pedião em nome de todo aquelle Povo lhe fizesse mercê ordenar, que o Coronel que governa as Armas do Partido da dita Cidade, e seus sucessores não obriguem aos ditos homens pelo Militar, e encargos de guerra, para por aquelle trabalho terem este Privilégio por prémio…”

                                                                                           

                                                                                         D.João V (1706-1750)

O termo “Bombeiro”, que está inti-mamente ligado às bombas, um dos equi-pamentos mais avançados para a época, e que as Corporações consideraram da maior utilidade, surgiu, pela primeira vez, em Lisboa, no ano de 1734. Neste mesmo ano foram adquiridas mais quatro bombas, em Inglaterra.

Aos homens dos serviços dos incêndios, por trabalharem com as Bombas, passaram a ser designados Bombeiros. Encontramos aqui a origem da denominação de bombeiro, assim como a razão de ser da origem do nome “Companhia da Bomba”.

Existiram outras designações, para as quais ainda não encontrámos explicação. É o caso da primeira Companhia de Bombeiros de Lisboa, criada, em 17 de Julho de 1834, pela Câmara Municipal, que ficou também conhecida por Companhia do Caldo e do Nabo.

A partir do ano 1868, foram introduzidas as bombas a vapor, originando a obrigato-riedade dos proprietários instalarem bocas de incêndio nos prédios. Apareceu também a escada “Fernandes”, percursora da “Magyrus” e foi instituída a classe de Sotas – Bombeiros permanentes, cuja denomi-nação era atribuída aos Capatazes dos an-tigos aguadeiros.

O movimento Associativo dos Bombeiros começou com a Companhia de Voluntários Bombeiros de Lisboa, criada, em 1868, e que depois, em 1880, passou a Associação de Bombeiros Voluntários.

Uma resposta

  1. [...] História dos Bombeiros [...]

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: